Bruno de Carvalho justificou o facto da reunião entre o Sporting e João Pedro Paiva dos Santos não ter sido levada a cabo esta terça-feira com a presença de Paulo Pereira Cristóvão, antigo vice-presidente do Sporting.

“Observa-se que o acionista João Paiva dos Santos se fez acompanhar, nomeadamente, pelo Sr. Paulo Pereira Cristóvão. Tendo em conta o processo disciplinar interno em curso, e os processos criminais em que este é arguido, entendeu o Conselho Fiscal e a Comissão Executiva da Sporting SAD não estarem criadas as condições objetivas para a prossecução da mesma”, pode ler-se no documento assinado por Bruno de Carvalho e Rui Moreira de Carvalho, presidente do Conselho Fiscal da Sporting SAD .

E prossegue: “Para esta tomada de decisão, foi realizada uma reunião de emergência (…) Contudo, ultrapassados os constrangimentos que implicaram a não realização desta reunião, estão os órgãos de governo da Sociedade disponíveis para o seu reagendamento”.

O comunicado sublinha ainda que “o Conselho Fiscal pretendia entregar este comunicado, pessoalmente, ao acionista João Paiva dos Santos, contudo este ausentou-se de Alvalade sem dar conhecimento ao Conselho Fiscal”.

Fonte: record.pt