” Matilha de cobardes “

Frederico Varandas veio a público pronunciar-se sobre as recentes agressões de que foram alvo dirigentes do Sporting no jogo de futebol com o Boavista, no Bessa, e de hóquei em patins com o FC Porto, no Dragão Caixa.

«São episódios que repudiamos e que queremos que não se repitam. Foram casos cobardes e, para os fazer, é preciso uma matilha de cobardes. O que aconteceu não pode ser esquecido, ignorado e tolerado. Gente desta tem de ser banida dos recintos desportivos. As federações, as Ligas, os Conselhos de Disciplina, a Secretaria de Estado… não podem fingir que isto não aconteceu. Se as regras existem, que haja coragem para as aplicar», referiu em conferência de imprensa, antes de prosseguir:

– Não chega um telefonema pessoal ao presidente do Sporting a pedir desculpa, não chega um pedido de desculpa envergonhado em off. Ficámos à espera do que acontecia depois do jogo no Bessa – além de nossa queixa crime, nada acontece. Recebi um telefonema do senhor Pedro Proença a pedir desculpa, mas é preciso ação da Liga – nada aconteceu. Isto não se vai lá com pedidos desculpa em off.

E acrescentou: «O exemplo vem de cima. Se não há educação na tribuna, como podem exigir educação a todos os outros que estão nos recintos desportivos? É preciso coragem e enfrentar o problema de frente. É raro o jogo em que o Sporting não receba uma multa por cânticos ofensivos dos adeptos ou uso de pirotecnia. Existem multas para as claques, e para estes senhores? O que acontece? Assobiamos para o lado? Se calhar é muito mais grave. Os agressores têm de ser banidos, os dirigentes, se forem cúmplices, tem de ser expulsos. Os clubes, por organizarem os eventos desportivos, tem de assumir responsabilidades. As Ligas e as Federações têm de intervir e repudiar publicamente. O Estado tem de legislar e é responsável por criar condições para que isto não volte a repetir-se. O desporto não pode ser território sem Lei, justiça nem decência. A gravidade do que aconteceu exige reposta ao mais alto nível institucional.»

O líder leonino assegurou ainda que vai pedir uma reunião urgente com Governo e presidentes de Ligas e Federações das diferentes modalidades em que o Sporting está envolvido para propor «a formação de um conselho estratégico para a segurança no desporto», por considera que a violência é um problema do desporto nacional e não apenas do futebol nem das claques que apoiam os clubes nesta modalidade.

«Nesta casa, com esta direção, todos os rivais foram tratados com dignidade e segurança. E assim vai continuar a ser. Não nos preocupamos com mandatos, mas sim com o que o Sporting precisa. Quem tutela deve ter a mesma coragem que nós. Este é um problema grave que envergonha este País. Pode demorar tempo, mas uma coisa eu sei – o desporto e o Governo podem contar com a coragem do Sporting. Apelo à coragem de todos os senhores que tem capacidade de decidir pelo desporto e pela Nação, coragem meus senhores», rematou.

Fonte: abola.pt

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.