” Bruno de Carvalho revolucionou o Sporting … “

Augusto Inácio deu uma entrevista ao jornal A Bola onde falou da sua passagem pelo Sporting na Presidência de Bruno de Carvalho.

Acompanhou Bruno de Carvalho na primeira candidatura em 2011, depois foi diretor para o futebol em 2013. Saiu em 2015 e regressou logo após os incidentes de Alcochete. Que Sporting encontrou?

– Sim, estive com Bruno de Carvalho nas de 2011, que ele só perdeu… teoricamente. E digo isto porque não tenho qualquer dúvida de que ganhou. E essa é uma mancha na história das eleições que nunca se apagará. Depois, em 2013, voltámos e encontrámos uma situação muito complicada. E Bruno de Carvalho, com pouco dinheiro, conseguiu boas prestações no futebol. Os orçamentos eram de 20 e picos milhões de euros no primeiro ano e 20 e tal no segundo. Lutámos por títulos, conseguimos o segundo lugar, apurámo-nos para a Champions com Leonardo Jardim, correu bem.

– Depois, com a chegada de Jesus, o orçamento passou de menos de 30 milhões para quase 80!

– Sim, houve investimento. A minha impressão é que esse campeonato foi tirado ao Sporting nos bastidores. Fez 86 pontos, o que nunca tinha acontecido. No segundo ano, já não foi tão feliz e depois o terceiro que acaba como todos sabemos.

– É quando Inácio regressa, uma semana após Alcochete…

– Sim, logo após a Taça. A ideia principal para o meu regresso era tentar resgatar os jogadores que queriam rescindir ou já tinham rescindido com o Sporting. É nessas condições que vou. Entretanto o Bruno sai e eu ainda fico com Sousa Cintra. Mas o papel de resgate já não o tive com o Sousa Cintra. Ele tinha outras pessoas.

– Mas que Sporting encontrou?

– O que acha? Era um Sporting numa fase muito difícil, com jogadores a rescindir contratos. Falei com alguns e fiquei com a sensação que ficariam ou voltariam. Agora, goste-se ou não: os jogadores que vieram, tirando o Bruno Fernandes (há ali outra história com empresários e tal)… todos os outros só voltaram porque vinham ganhar muito mais dinheiro. Se não… não voltavam. Bas Dost, que tanto se queixara do medo, da insegurança, do receio pelos filhos e pela família, de andar na cidade de Lisboa, passou de 1,8 milhões/ano para 3,2. E, aí, já não havia insegurança com os filhos, nem medo de andar na cidade… Podem ficar ofendidos, mas esta é que foi a verdade.

– Ainda assim os regressos eram bom negócio para o Sporting. Afinal, iam sair a custo zero…

– Não é por aí. O que quero dizer é que se a história fosse: ganhas dois mil e voltas continuando a ganhar dois mil, eles não vinham. E as pessoas ficaram naquela de que eles voltaram porque já não estava o Bruno de Carvalho. Nada disso! Vieram porque vieram ganhar mais dinheiro. Que eram mais valias, eram. Como se percebe com as saídas de Raphinha e de Bas Dost… O plantel ficou ainda mais curto.

– Em 2018, é já um Bruno de Carvalho emocionalmente instável a liderar o Sporting. Há aquele episódio após a derrota com o Atl. Madrid e todas as histórias até ao caso de Alcochete. Sentiu essa mudança na personalidade e na maneira de estar de 2011 para 2018?

– Só gosto de falar do que vivi com as pessoas. Faço apreciações pelo contacto direto e diário e não pelo que se diz aqui e ali. Eu não conhecia Bruno de Carvalho. Recebi uma chamada dele a informar-me que queria candidatar-se e a mostrar vontade de falar comigo e mostrar-me o seu programa. Acedi. Foi na Mealhada que nos encontrámos. Comemos uma sandes de leitão e falámos durante três ou quatro horas. Mostrou-me o organigrama e o programa. Tinha 120 pontos e eu estava de acordo com 118. Era o que eu também achava que o Sporting precisava.

– Como foi essa conversa com Bruno de Carvalho?

– Perguntei-lhe: “É mesmo isto que vai fazer?” E ele respondeu-me: “Se não for isto, podes ir para as televisões rasgar-me todo; vou cumprir isto!” E eu: “Se é isto, então estou consigo.” Não fui atrás de Bruno de Carvalho, fui atrás do programa de Bruno de Carvalho. Mas sabia que era difícil ganhar, porque ninguém o conhecia. Podiam conhecer-me a mim, mas não a ele. E do outro lado estavam Godinho Lopes, Luís Duque, Carlos Freitas, tudo pesos-pesados. O que é certo é que todo o trabalho de esclarecimento feito, em todo o lado, nos núcleos, teve frutos. Fiquei a admirar a raça e o espírito de união que ele tinha. Não ganhámos em 2011, ganhámos nas seguintes. E, quer queiram, quer não, ele revolucionou o Sporting. Trouxe as pessoas para as bancadas, pôs as modalidades num nível competitivo raramente visto. Houve um ano em que as modalidades ganharam tudo!

– E o Sporting podia pagar isso tudo? Um dos últimos atos foi a tentativa de contratar Ricardinho para a equipa de futsal, pagando-lhe 5 milhões de euros…

– A alma competitiva estava lá. E havia vitórias. Havia orgulho no Sporting. Os outros também gastam milhões e não ganham.

Fonte: abola.pt

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.