Nuno Saraiva escreve mensagem emotiva de despedida

Deixei passar uns dias, na tentativa (falhada) de que a minha racionalidade não fosse contaminada pela emoção.

Como é público, deixei de ser diretor de comunicação do Sporting Clube de Portugal. Não por vontade minha, mas consequência de uma decisão absolutamente legítima e totalmente transparente do novo Presidente do Clube. Ao contrário do que a dada altura alguns tentaram fazer crer, não levantei qualquer espécie de obstáculo nem fiz nenhuma exigência para além do que a lei determina.

Foram dois anos de enorme intensidade. Com erros cometidos? Certamente que sim. Com excessos que poderiam ter sido evitados? Seguramente. Mas foram também dois anos de grande privilégio e paixão, em que conheci e fiquei amigo de pessoas extraordinárias. Quero agradecer, na pessoa da minha querida Rosa Duarte, a todos os colaboradores do Sporting Clube de Portugal a oportunidade que me deram de trabalhar com muitos dos melhores profissionais do mercado. A todos os extraordinários atletas, treinadores e dirigentes estou grato pela forma como me receberam e comigo trabalharam.

Ao nosso Presidente Frederico Varandas e à sua Direção desejo que nos façam felizes, porque o seu sucesso é o sucesso do Sporting CP.

Aos que insistem em medir o sportinguismo dos outros e em fazer julgamentos de carácter sem cuidarem de saber do que falam, digo-lhes apenas que isso não é Unir o Sporting.

A todos um enorme obrigado pelo que aprendi e me proporcionaram.

Parafraseando o Presidente, nasci Sporting, cresci Sporting, respiro Sporting e sou o Sporting. Sim, sou eu, é o Presidente, bem como são todos os Sócios e Adeptos porque, sem nós, sem todos nós, não há Clube.

Saudações Leoninas a todos e Sporting Sempre!

Ver aqui.

“Frederico Varandas disse que me vendia por cinco milhões de euros”

O médio de 31 anos continua sem clube e, em declarações à Sport TV, revela já ter falado com o novo presidente leonino sobre o dossiê: “Tive uma reunião com Frederico Varandas e disse-me que me vendia por cinco milhões de euros. Acho que é impossível”.

“Já podia estar a jogar, mas o Sporting não quer. Tive várias propostas, do Nantes e do Rizesport, que me apresentaram contratos muito bons, difíceis de recusar. Mas não quis avançar com o processo a decorrer. Optei por fazer o correto e resolver a situação com o Sporting”, afirmou.

Rúben Ribeiro admitiu, ainda, que chegou a ser equacionada a possibilidade de reassinar pelo clube de Alvalade, tal como sucedeu com Bruno Fernandes, Rodrigo Battaglia e Bas Dost: “Gostava de regressar ao Sporting. E chegou a haver essa hipótese com o presidente Sousa Cintra, mas não se concretizou”.

Rúben Ribeiro

Rúben Ribeiro: «Nunca imaginei que os que rescindiram voltassem»

RECORD – Disse que a decisão de rescindir partiu de si, mas o facto de jogadores como Rui Patrício e William Carvalho terem avançado para a rescisão também influenciou?

RÚBEN RIBEIRO – Não olhei aos outros. As minhas ações são responsabilidade minha, não tomo partido de ninguém. Ouvi a minha mulher e os meus filhos, foi o que mais pesou.

R – Como viu o regresso de alguns dos seus colegas que rescindiram contrato?

RR – Não fazia a menor ideia, sinceramente, nunca me passou pela cabeça que regressassem. Não imaginei que voltassem ao clube.

R – A tal saída limpa de que o Rúben fala, de que não quer prejudicar o Sporting, enquadra-se no facto de ter sido o único jogador que não pediu uma indemnização? Foi por esse motivo que não recorreu aos tribunais?

RR – Sim, queria uma saída limpa, porque, como já disse, o Sporting deu-me todas as condições a mim e à minha família. Além disso, deu-me o prazer de ter vestido aquela camisola. O meu objetivo foi sempre o de jogar no Sporting. Mesmo tendo possibilidades de jogar noutros grandes clubes, a minha escolha foi sempre o Sporting, daí que jamais tenha pensado em prejudicar o clube. A minha decisão nada teve a ver com questões financeiras, porque se fosse isso o mais importante, não teria ido para o Sporting, teria feito outras opções.

Fonte: record.pt

” Não fui mercenário “

Rúben Ribeiro: «Nunca imaginei que os que rescindiram voltassem»

RECORD – Disse que a decisão de rescindir partiu de si, mas o facto de jogadores como Rui Patrício e William Carvalho terem avançado para a rescisão também influenciou?

RÚBEN RIBEIRO – Não olhei aos outros. As minhas ações são responsabilidade minha, não tomo partido de ninguém. Ouvi a minha mulher e os meus filhos, foi o que mais pesou.

R – Como viu o regresso de alguns dos seus colegas que rescindiram contrato?

RR – Não fazia a menor ideia, sinceramente, nunca me passou pela cabeça que regressassem. Não imaginei que voltassem ao clube.

R – A tal saída limpa de que o Rúben fala, de que não quer prejudicar o Sporting, enquadra-se no facto de ter sido o único jogador que não pediu uma indemnização? Foi por esse motivo que não recorreu aos tribunais?

RR – Sim, queria uma saída limpa, porque, como já disse, o Sporting deu-me todas as condições a mim e à minha família. Além disso, deu-me o prazer de ter vestido aquela camisola. O meu objetivo foi sempre o de jogar no Sporting. Mesmo tendo possibilidades de jogar noutros grandes clubes, a minha escolha foi sempre o Sporting, daí que jamais tenha pensado em prejudicar o clube. A minha decisão nada teve a ver com questões financeiras, porque se fosse isso o mais importante, não teria ido para o Sporting, teria feito outras opções.

Fonte: record.pt

Sporting derrota FC Porto

O Sporting foi esta quarta-feira ao Dragão Caixa triunfar sobre o FC Porto, por 31-28, em jogo antecipado da quinta jornada do campeonato Andebol 1.

Os leões chegaram ao intervalo já em vantagem, embora apenas de um golo (14-13), mas mostraram-se mais fortes no segundo tempo, dilatando a diferença para três.

Esta foi a primeira derrota dos dragões no campeonato, enquanto os verdes e brancos se mantêm apenas com vitórias.

O portista António Areia, com sete golos, foi o melhor marcador da partida, enquanto Carlos Ruesga, com seis, foi o mais concretizador dos leões.

Fonte: ojogo.pt